Sucesso no último evento do ano sobre o eSocial

No dia 11/11/2014 a Talent Group, em parceria com a EY e a Câmara-Sueco Brasileira, realizou um evento com o tema “eSocial como o futuro da fiscalização eletrônica”.

Esse evento foi realizado devido ao grande sucesso do evento anterior, realizado em outubro desse ano. Sendo assim, a Talent Group abriu uma nova oportunidade para quem não pôde participar.

Para tratar desse assunto acionamos as lideranças de TI, por entendermos que é uma área que dispõe de muitos terceiros, em um mercado que nos últimos anos vinha adotando modelos bastante informais de contratação, que envolvem riscos.

O evento foi um sucesso e contou com a participação de diversas lideranças de conceituadas empresas. Recebemos um total de 24 participantes, que representavam 15 empresas, sendo que:

– 20% são empresas do segmento Financeiro;

– 33.3% são empresas do segmento de Serviços;

– 26.7% são empresas do segmento de Comércio; e

– 20% são empresas do segmento de Indústria.

 

Com relação à área e nível dos participantes, podemos citar que:

– 50% dos participantes são da área de TI

– 37.5% são da área de RH; e

– 12.5% são da área Financeira/Fiscal.

Sendo que desses participantes, 37.5% deles são Gerentes e Diretores, 33.3% são Coordenadores e 29.2% são Analistas.

 

Após o evento foi realizada uma pesquisa de satisfação com todos os presentes. Todos os participantes avaliaram os temas abordados como ótimos e 70% deles consideram que esse tema tem total relevância para suas atividades e empresas. 90% dos participantes consideraram muito boa a evolução de seus conhecimentos sobre os temas apresentados, a partir das palestras que foram ministradas.

Um dado bastante relevante, que demonstra a falta de informação das empresas sobre esse tema atual e de total importância, é que apesar da implantação oficial do eSocial estar marcada para menos de 1 ano, não há nenhuma empresa que esteja com esse projeto em estágio avançado (realizando testes). 30% estão em estágio intermediário, outras 50% estão em estágio inicial, 20% estão com o projeto paralisado.

Por fim, segundo a pesquisa de satisfação pudemos perceber que mesmo com as constantes fiscalizações do governo, muitas empresas ainda trabalham com regimes como PJ, cooperativas e CLT Flex, trazendo o risco trabalhista para suas atividades. 60% das empresas presentes afirmam que trabalham com qualquer regime de mercado, sem os cuidados devidos.

 

 

 

Leave a Reply